domingo, 6 de maio de 2012

Análise do filme "O enigma de Kaspar Hauser"


ATIVIDADE 03 (Objetivo: Realizar a análise do filme “O enigma de Kaspar Hauser”)
Assunto: Controle social

 “O enigma de Kaspar Hauser” – Herzog, Werner (Alemanha, 1974).
Kaspar Hauser, desde a mais tenra idade, foi privado do convívio social. A partir daí sua triste trajetória nos aponta muitos resultados obtidos por sua privação cultural, pelo não desenvolvimento de sua linguagem. O fato de ter vivido muito tempo isolado de outras pessoas (até mesmo seu alimento era deixado à noite, quando dormia) trouxe-lhe graves consequências em sua formação como sujeito, como indivíduo.
Quando Kaspar é retirado do cativeiro, e mesmo muito tempo depois, já com a linguagem desenvolvida, é possível perceber através de seu olhar atônito, o espanto, o estranhamento frente à paisagem, frente às pessoas e suas reações.
Por meio do filme podemos fazer uma reflexão sobre o papel da cultura e da linguagem em vários aspectos. Para Kaspar Hauser todas as frases são vazias de significado porque não viveu e experiência da linguagem nas relações intersubjetivas. A única exceção a princípio era a palavra cavalo que, para ele, tinha algum significado porque um cavalinho de madeira era sua única companhia no cativeiro. O vazio de significado que as frases têm para ele comprova ou demonstram de algum modo o que Habermas postulou a partir da virada linguística e pragmática e refuta a ideia cartesiana sobre a apreensão mental do conhecimento e a desvinculação do homem em relação aos outros para chegar a esse fim. Se a teoria de Descartes se confirmasse, Kaspar conseguiria saber de todas as coisas, pois o mundo poderia ser conhecido sem a dependência de uma relação com ele ou com os outros homens.

Descrição da Atividade: A turma deve assistir ao filme alemão “O enigma de Kaspar Hauser”, de 1974,do diretor Werner Herzog e realizar um debate sobre socialização, associando a teoria ao exemplo do filme.




Kaspar Hauser é um jovem que foi trancado a vida inteira num cativeiro, desconhecendo toda a existência exterior. Quando ele é solto nas ruas sem motivo aparente, a sociedade se organiza para ajudar Kaspar, que sequer conseguia falar ou andar, mas este logo acaba se tornando uma atração popular. Baseado em uma história real. "Cada um por si e Deus contra todos" é o título original que o diretor Werner Herzog tirou de Macunaíma", de Mario de Andrade.

(Jeder für Sich und Gott Gegen Alle, 1974)
• Direção: Werner Herzog
• Roteiro: Werner Herzog
• Gênero: Biografia/Drama/Histórico
• Origem: Alemanha Ocidental
• Duração: 110 minutos
• Tipo: Longa-metragem

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário