quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Ameaça de Guerra

Ameaça de Guerra
Pio Penna Filho*

O teste de um novo míssil balístico israelense aumenta a tensão no Oriente Médio. Não bastasse o tumultuado quadro político envolvendo as difíceis relações entre Israel e Palestina, a violência no Iraque e a insurgência na Síria e no Iêmen, a comunidade internacional recebe com muita apreensão os sinais de guerra emitidos a partir de TelAviv.
Não se deve brincar com Israel. Que o digam os povos árabes, incluindo aí os palestinos. Aparentemente está em curso em Israel um movimento político que busca ampliar o consenso em torno da necessidade de um ataque preventivo ao Irã, que teria o objetivo principal de debilitar o seu programa nuclear.
Aliás, Israel já fez isso no passado. Quando os iraquianos estavam construindo sua central nuclear, ainda sob o regime de Sadam Hussein, os israelenses lançaram um fulminante ataque aéreo preventivo que destruiu a central de Osirak, em 1981. Esse foi um episódio que ficou registrado na história militar recente, sobretudo pela ousadia e precisão do ataque.
A possibilidade do surgimento de uma potência regional com capacidade nuclear no Oriente Médio, além de Israel, é algo que provoca apreensão em muitos israelenses, ainda mais quando esse candidato é justamente o temido Irã. Em torno desse país se construiu uma imagem enviesada e politicamente orientada a partir dos interesses ocidentais (leia-se, Estados Unidos) e também israelenses. O Irã, com efeito, em realidade, é muito diferente dessa imagem.
Veja-se, por exemplo, a ideia cristalizada de que é o Irã uma verdadeira ameaça à paz regional e mesmo mundial. Ora, quando analisamos quem ameaça quem, quem efetivamente promove ações desestabilizadoras em outras regiões ou adota políticas discricionárias, fica difícil enquadrar apenas o Irã nesses atributos.
O que Israel está fazendo com os palestinos é prova cabal desse efeito desestabilizador. Embora alegue que a forma unilateral como os palestinos tem agido em busca do reconhecimento do seu Estado perante as Nações Unidas seja altamente prejudicial e contraproducente, não é nada diferente a ação israelense de seguir construindo, ao arrepio de todas as recomendações internacionais, conjuntos residenciais para judeus em territórios disputados com os palestinos, o que só faz aumentar o dissenso entre as duas populações. De igual teor unilateral e desestabilizador é o próprio bloqueio às legítimas aspirações da fundação de um Estado palestino para que se crie, finalmente, condições de uma paz sustentável na região.
Voltando à ameaça velada de ataque preventivo ao Irã por parte de Israel, não se trata, de jeito nenhum, de algo completamente infundado. Naturalmente que a probabilidade disso acontecer é bem pequena, considerando a capacidade de retaliação iraniana e ainda mais se não houver o apoio explícito dos Estados Unidos. De toda forma, nada de promissor virá com uma iniciativa forjada na violência. Só servirá para incitar mais violência e ódio numa região que o que não falta é justamente isso.

*Professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) e Pesquisador do CNPq. E-mail: piopenna@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário